7 SIMPLES PASSOS PARA SAIR DO CAOS FINANCEIRO

Como começar a recuperar sua vida financeira e sair da crise?

Algumas pessoas estão tão desgastadas com seus problemas financeiros que se imaginam em um beco sem saída.

O desespero é tanto que algumas desenvolvem pavor e até síndrome do pânico de tanto receberem e-mails, telefonemas e mensagens de cobrança, pois as dívidas tomaram conta do seu dia a dia e estão sempre em seus pensamentos.

O salário é esperado ansiosamente para que os pagamentos das contas atrasadas, mais urgentes, possam ser efetuados e a pessoa respire um pouco.

Quem se encontra nessa situação já gastou muita energia com os problemas gerados pelas dívidas e não sabe por onde começar e nem como sair da crise financeira.

Como fazer para começar a arrumar essa bagunça?

“Gastar menos e ganhar mais” talvez seja a receita mais simples para resolver a questão.  Mas não é só isso…

Nesse artigo, vou te apresentar 7 passos para iniciar a sua recuperação. Não te garanto sucesso, pois os resultados dependem de ação, e agir depende de você. Mas siga esse roteiro que você alcançará resultados incríveis.

Gostou do artigo. Achou interessante. Conhece alguém que se encontra nessa situação?

Então compartilhe, para que outras pessoas tenham acesso a esse material.

 

COMO SAIR DA CRISE FINANCEIRA EM 7 PASSOS

Primeiramente, meus parabéns por você tomar a decisão de enfrentar os problemas e agir para recuperar sua vida financeira.

Muitos evitam enfrentar sua realidade, acreditando que é muito complicado, estressante e desgastante, mas não percebem que, em longo prazo, os problemas só aumentam.

Antes de fazer qualquer coisa vamos enfrentar duas realidades que você precisa ter consciência, para que esse seja um caminho só de ida para o sucesso, sem retrocesso.

 

7 passos para sair da crise financeira

 

#ANALISE POR QUE VOCÊ CHEGOU ONDE ESTÁ

Em primeiro lugar faça uma análise de como você chegou nessa situação.

Pergunte-se:

  • Com o que costumo gastar muito? Roupas, comer fora de casa, festas…?
  • Gasto sem necessidade?
  • Será que sou desorganizado?
  • Meu padrão de vida não está exagerado em relação ao que ganho?
  • Qual compra eu fiz que me levou as dívidas? Carro, casa, viagem? Consigo vender esse bem que me atolou e comprar um de menor valor, caso seja necessário?

 

Continue fazendo perguntas, até que consiga identificar os seus comportamentos, hábitos e alguns fatos ocorridos em sua vida que levaram você a situação atual.

Após identificá-los pense e anote como você pode mudar essa realidade.

Talvez você chegue à conclusão que nunca geriu as suas finanças, ou que sempre foi desorganizado, ou ainda, que continuamente gastou com coisas caras demais, acima de suas possibilidades, sem qualquer planejamento.

Cada um encontrará um motivo ou vários, e deve confrontá-los e assumir a responsabilidade, mas não se culpar, pois infelizmente, chegamos nesse nível porque aprendemos a agir dessa forma, não nos ensinaram a agir diferente.

Educação Financeira no Brasil é praticamente inexistente.

Depois desse exercício, tente analisar e imaginar maneiras de enfrentar seus problemas fazendo uma limpeza em sua vida financeira visando reformá-la.

 

Faça indagações nesse sentido:

Como posso agir para o mais rápido possível recuperar minhas finanças?

Como posso fazer minha organização e meu planejamento financeiro?

O que devo deixar de fazer?

O que posso deixar de comprar e consumir, pois não é necessário?

Como posso fazer uma renda extra para pagar as dívidas de forma mais rápida? Quais habilidades que tenho e posso explorar para fazer dinheiro?

Posso trocar os valores de alguns gastos por outros mais em conta?

Essas e outras perguntas ajudarão você a identificar medidas que podem ser tomadas imediatamente para diminuir seus gastos, organizar seu orçamento e pagar suas dívidas.

 

Existem algumas razões em comum para que muitos brasileiros estejam devendo e com suas finanças em frangalhos: a inexistência de Educação Financeira e a crença de que alguém (o gerente do banco, o marido, a esposa, o pai a mãe…) sempre irá tomar conta do seu dinheiro, são dois desses motivos.

Não somos ensinados a cuidar e gerir o nosso dinheiro. Aprendemos que podemos delegar essa função, e isso é péssimo.

É perfeitamente normal desejarmos e comprarmos coisas boas e caras. O errado é fazer isso sem planejamento e sem dinheiro, usando crédito fácil e caríssimo.

Existem várias razões pelas quais as pessoas não querem gastar seu tempo e energia organizando e planejando suas finanças, e a principal delas é que nós aprendemos a preferir gastar dinheiro.

Não é que você seja “ruim com dinheiro”. O que aconteceu é que não te ensinaram a conviver com o dinheiro de forma saudável.

Enfrente a razão pela qual você está em situação difícil, seja ela qual for você precisava agir para mudar esse motivo.

A verdade é que mudanças financeiras não são fáceis, pois dependem de reformulação de hábitos e comportamentos.

No início você estará muito motivado, mas com o tempo, se não estabelecer uma nova rotina positiva, em que você comece a enxergar claramente resultados, você ficará tentado a praticar seus velhos hábitos negativos.

É importante analisar e decidir o quanto você está disposto a gastar com tempo, foco e energia para salvar sua vida financeira.

Todos nós temos vários compromissos e algumas prioridades que devem ser levadas em consideração para estabelecer, de forma consciente, quanto de atenção podemos disponibilizar ao nosso planejamento financeiro.

Estabelecer esse limite é importante para efetuar um planejamento realista e duradouro.

Não adianta gastar toda sua energia na primeira semana, passando horas se dedicando a planilhas, leituras e organização, se você não conseguirá manter esse ritmo.

Um ritmo desconectado com sua realidade irá sobrecarregar sua rotina e definitivamente irá falhar, sem que você chegue aos seus objetivos.

Algumas serão simples, outras mais demoradas e cobrarão mais atenção e empenho.

Não tente obter resultados rápidos.

 

As mudanças e ações devem ser compartilhadas, entendidas e absorvidas pela família para não se tornarem traumáticas e impossíveis de se concretizar. Leia esse artigo e aprenda como educar seus filhos financeiramente.

Com os primeiros resultados atingidos a caminhada se tornará mais agradável.

É bom que comece com objetivos mensuráveis e atingíveis dentro do seu contexto de vida.

Estabeleça objetivos imediatos, assim como de médio e longo prazo.

Começar com pequenos passos e objetivos realistas fará você ter resultados efetivos e o levará a manter o comportamento que levou você ao sucesso.

Alcançando seus objetivos, o que significa sucesso, sua motivação estará garantida.

 

ETAPAS PARA SUPERAR A CRISE E SAIR DO CAOS 

Como superar a crise e sair do caos finaceiro

 

1o Passo – Reunir todas as informações necessárias para diagnosticar sua situação financeira. Você deverá juntar todas as contas e gastos, extratos bancários e dos cartões de crédito, todas as suas receitas, identificar dívidas, despesas sazonais, e tudo mais que existe de receitas e despesas.

Até que você consiga obter todas essas informações, não se preocupe em fazer muita coisa, além disso, apenas diminua seu consumo desnecessário.

2o Passo – Organize-se. Saiba quanto você faz de dinheiro, o que você gasta, quanto deve e o valor dos seus bens. Faça um orçamento detalhado.

3o Passo – Determine objetivos de curto prazo, fazendo um planejamento para quitar suas dívidas em atraso.

Analise a necessidade e possibilidade de fazer uma renda extra para atingir de forma mais rápida essa meta.

Estude onde você pode cortar gastos em seu orçamento para sobrar mais renda e quitar mais rapidamente suas dívidas.

4o Passo – Estude e aprenda a gerenciar seu orçamento, seu fluxo de caixa, adequando seu padrão de vida, seus gastos, a sua renda principal, evitando utilizar crédito fácil e incorrer em novas dívidas para manter um padrão de vida equivocado.

O objetivo é sair do caos (superar a crise) e se manter longe dele com uma vida financeira organizada.

5o Passo – Tenha como objetivo sempre gerenciar seu dinheiro durante toda sua vida e manter seu fluxo de caixa sempre positivo.

6o Passo – Faça o objetivo de quitar todas as suas dívidas, e quando, extremamente necessário, faça dívidas (Ex: financiamento casa), que caibam folgadamente no seu orçamento.

7o Passo – Após sair da crise financeira, faça o objetivo de iniciar o hábito de poupar para investir pensado em construir seu fundo de emergência, um dos passos para o equilíbrio financeiro.

 

Fico muito feliz que você decidiu enfrentar seus problemas financeiros, cuidar e gerenciar seu dinheiro.

Tenho certeza e lhe garanto que se você tiver disciplina e consistência para seguir esses passos e planejar sua vida financeira esta se tornará menos confusa e você terá uma vida mais prazerosa.

A matemática das finanças pessoais é muito simples, o problema está em nossas emoções, comportamentos e hábitos que por estarem desorganizados nos levam a cometer atitudes impensadas que bagunçam nossas finanças pessoais.

Faça o passo a passo. Leia os artigos do blog, ganhe conhecimento e AJA que você chegará onde pretende.

Boa ação!!

Se você gostou desse artigo ou tem alguma dúvida deixe seu comentário a baixo que nós responderemos com muito prazer.

Manu Peixoto

Manu Peixoto acredita que a Educação Financeira pode mudar a vida das pessoas, proporcionando qualidade de vida e prosperidade financeira. Quer ajudar você a organizar e cuidar melhor da sua vida financeira. Estudiosa e praticante da Educação Financeira há vários anos.

Website: http://vidafinanceirainteligente.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *